Imagem: Pinterest

Acabei de ler um texto super bacana da Revista Bula – 100 coisas triviais pra fazer em 2014 – inclusive, um achado essa revista (como eu não tinha notado ela?). Início de ano, todo mundo com suas expectativas renovadas, cheios de esperanças e novas (ou velhas) metas e muita energia pra colocar seus planos mirabolantes em ação, né? E já que planos mirabolantes em tese são perfeitos mas na prática logo nos cansam e ficam pro ano que vem, e pro outro ou pro outro ainda, acho que metas mais “triviais” são mais fáceis de alcançar!

Então, resolvi pincelar algumas das coisas citadas por eles, porque 100 é um número bem expressivo e vou me considerar bem feliz se fizer umas 15 ou 20! São coisas bem triviais mesmo, já que está na moda – e não deveria sair nunca – ser simples, viver simples e respirar simplicidade.

Vamos ver, essas foram as que escolhi – pelo menos pra começar:

♥ viva cada dia como se fosse o último, mas com a certeza de que não seja;

Porque de nada adianta sair por aí vivendo a vida louca e irresponsávelmente, né… aproveitar a vida sim, mas um pouquinho de bom senso ajuda!

♥ ponha seus problemas nas mãos de Deus, mas ajude Deus a resolvê-los;

Reclamar da vida e achar que tudo é culpa do Cara lá de cima é fácil, quero ver facilitar as coisas pra Ele. Com tanta gente precisando de verdade, sempre é bom dar uma forcinha, sendo mais compreensivo e aceitando o que chega pra gente.

♥ adquira o hábito de ler literatura e ouvir música de qualidade;

Sobre livros nem preciso falar, já os devoro… Agora, música, ando precisando retomar o costume. Moro com as janelas voltadas para uma avenida super movimentada (leia-se: barulhenta) e é quase impossível ouvir alguma coisa pra relaxar, geralmente o efeito é contrário. Mas vamos trabalhar nisso (quem sabe umas janelas com redução de ruídos, né).

♥ trabalhe para viver sem morrer de trabalhar;

Isso inclui aprender a dizer mais não que sim. Não precisamos concordar com tudo que nos pedem ou nos delegam, então, está na hora de aprender a negar pedidos exagerados e jornadas exaustivas, ok.

♥ arrisque a escrever um poema, ou um livro de poemas;

Ah, isso eu faço… Mas pretendo fazer com mais frequencia e talvez resgatar alguns poemas antiguinhos pra mostrar pra vocês. Quem curte poesia aqui?

♥ caminhe pelos parques conversando com amigos;

Essa é uma meta que só depende de fazer acontecer, tempo a gente dá um jeito. E o verão é a melhor estação pra colocar esse plano em prática.

♥ consulte vidente, cartomante, mas também médico ou advogado;

Pra quem gosta de ouvir conselhos astrológicos, é supersticioso e tal, ou que curte sofrer por antecipação, tentando descobrir coisas que não precisa. Eu sou um pouquinho assim, mas coloco minha parcela de ação em tudo, não vou atrás simplesmente. E nunca deixo de consultar os profissionais sérios e estudados.

♥ passe mais tempo com pessoas da família;

Isso já foi meta em 2013 e claro que vou manter. Família é a base, então tem que estar presente sempre que dá.

♥ comporte-se como que vai deixar um legado para as futuras gerações;

Nossas ações dizem tanto de nós… E se eu espero que o mundo seja melhor, preciso evoluir e ajudar o próximo a evoluir também. Isso começa em casa e continua na rua, no trabalho, nos locais de lazer.

♥ examine seus próprios atos, antes de culpar alguém ou a Deus por eventuais fracassos;

De novo aquela história, se eu acredito Nele, eu preciso aceitar o que recebo nessa vida e tentar ser melhor através do que vem até mim. O meio em que vivo e a forma como me comporto nesse meio é que vai ditar os próximos passos e o resultado final. Nada de misturar as coisas e achar que a culpa é sempre do vizinho.

♥ seja correto em suas relações;

O mais trivial e também o mais fundamental… Dando certo aqui, 90% do caminho está garantido. O que eu faço não pode me causar vergonha ou constrangimento, desejo ao outro aquilo que espero pra mim. Sempre.

 inclua seus pais ou avós, em alguma atividade recreativa;

Sempre que der, tentar levar pra conhecer lugares novos, pra dar uma caminhada no bairro, fazer companhia em viagens ou pra provar um sorvete que seja. Eles adoram e às vezes se preocupam tanto com a gente que a vida fica pequena para essas atividades, é nossa função trazê-los pro mundo.

♥ viaje para outros países (Paraguai não vale) e observe os hábitos dos nativos;

Puxa, eu não descarto o Paraguai, afinal de contas ele não se resume à compras e contrabando, tem cidades lindas, tem um povo e uma história. Começar a planejar, a guardar um dinheirinho, imaginar roteiros e ir colocando tudo no papel faz com que a viagem aconteça mais rápido. Que tal… Gostei desse item. Não existe nada mais empolgante que observar os costumes, conversar com nativos de um lugar bem diferente do nosso. Cultura é vida, e quero muito poder fazer essas experiências.

♥ não venda suas férias;

Vendi uma vez na vida, me arrependi e não faço mais. Férias existem para usufruir. Se pudesse, tirava dois meses no ano. Rá.

♥ sinta cada momento como um milagre da existência;

E cada momento é mesmo um milagre, mesmo quando estamos em casa ou em alguma atividade rotineira, é um milagre. Ver o sol nascer ou se pôr, admirar as flores, as nuvens ou as árvores na estrada à caminho de algum lugar especial.

 seja grato pelo tempo que já viveu;

Eu acredito que as coisas acontecem na vida da gente com um propósito. As vezes pedimos algo e recebemos outra coisa totalmente diferente e até inesperada mesmo. E quando descobrimos que o que recebemos é realmente aquilo que precisávamos, heim? Eu aprendi a ser muito grata por tudo que recebo e tudo que tenho a pedir ultimamente é que as coisas boas se conservem e que eu tenha sensibilidade suficiente para enxergar os caminhos pelos quais devo seguir. Experimentem.

♥ seja esperançoso pelo tempo que ainda vai viver;

Essa é bem difícil, tenho que admitir. Ver o mundo tomar o rumo que está tomando, a violência aumentando, os políticos trabalhando (em sua maioria) em benefício próprio, as crianças cada vez mais desinteressadas e desligadas dos valores essenciais, os adultos com uma epidemia de preguiça de educar, as escolas falidas… Fica realmente complicado ter esperanças quanto ao futuro próximo ou distante. O que faço pra resolver isso? Me apego na crença de que ainda existem pessoas boas e interessadas no bem comum, pessoas que embora acabem sobrecarregadas pelas outras que nada ou pouco fazem, se destacam e conseguem ser a diferença que tanto almejamos. Eu preciso melhorar a minha parte, claro… Não quero continuar fazendo parte dos que nada ou pouco fazem.

♥ não queira ser aquilo para que não tem dom nem temperamento;

Parar de se comparar com os outros é o primeiro passo. A nossa medida deve ser nós mesmos. Se eu vivo a partir da vida do outro, crio expectativas que não me cabem, se tento lutar por um espaço que não é meu, me frustro e frustada minha vida vira uma bola de neve de fracassos que não precisariam estar na minha vida. Assumir minhas fraquezas e focar no meu talento, não importa o status que ele por ventura me dê é o que vai fazer com que siga minha vida dando atenção aos valores certos e passando meu tempo na terra de forma mais tranquila. Não adianta nada eu querer ser marinheira se morro de medo de me afogar, né?

 esteja preparado para acidentes de percurso;

Acho que a melhor forma de aprendizado – e isso vale pra todas as áreas da nossa vida – são os percalços, os tropeços, os erros ou as pequenas falhas, desde que a gente aprenda a tirar proveito desses fatos e transformar nossa vida a partir deles. E bom humor pra enfrentar esses momentos, rir de si mesmo ameniza a decepção e faz com que a gente se levante mais rápido pra seguir em frente. Isso vale pra vida profissional ou pessoal e até pra aquela viagem de fim de semana na praia, que chove no caminho, o carro enguiça e o telefone fica sem sinal (sem dramatizar, apenas pra ilustrar), que tal um banho de chuva e uma desconexão tecnológica?

 encare eventuais tristezas como processos de depuração de sua felicidade.

Ah, se tivéssemos a sabedoria de transformar a tristeza em bálsamo, transformar a dor em alívio, a descrença em fé. Nem sempre as coisas ruins que acontecem em nossa vida são, de fato, ruins. Às vezes é só um processo pelo qual estávamos destinados a passar, e se abrirmos nosso coração e nossa mente, o retorno vai ser uma paz de espírito e um entendimento de que algo maior está destinado à nós.

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Ai, gente… Sei que o post ficou enorme, mas foi tão bom escrever, são tantas coisas, tantos sentimentos que a gente vai guardando. Precisamos de mais serenidade em nossos dias, mais compreensão, mais tolerância como falei dia desses. Tudo isso precisa ser lembrado de tempos em tempos, já que pela vida corrida e pelos problemas diários acabamos esquecendo de dar valor a essas pequenas ações. São elas que nos transformam quando deixamos.

Espero que tenham gostado. E quem chegou persistentemente até aqui, me diga o que achou!

Fonte: Revista Bula

Um beijo enorme pra vocês,

  Ei, curte aqui, vai! :(


Nine Copetti

Dizem por aí que já nasci com um livro embaixo do braço. Ando pelas ruas com o olhar pro alto a procurar nuvens que sejam algodão doce e passarinhos que versem sobre o dourado lindo do sol que chega de mansinho. Desanuvio meus pensamentos em palavras que se tornam meus textos de escape, faça sol ou chuva. Nos dias de chuva eu capricho mais. Dizem.

2 comentários

Ana Pereira · 10 de janeiro de 2014 às 22:07

Oi Nine,
Amei esse post e a delicadeza da tua escrita, quero sempre ler mais… fiquei fã. Tens que pensar seriamente em escrever um livro ;)
Estou a adorar a Bula, tem artigos super interessantes e com humor, já divulguei pelos meus amigos :)
Há muitas coisas que quero fazer em 2014, viajar, iniciar Pilates, ler ainda mais, ser menos impulsiva (pensar bem antes de falar), stressar menos (nem sempre possível) etc …mas principalmente agradecer a Deus, todos os dias, pelo que tenho, pois damos as coisas como certas e de um momento para o outro fica tudo virado do avesso.
E ainda, tentar socializar mais pois sou daquelas pessoas que prefere estar sozinha a maior parte do tempo…embora me sinta bem assim.
E ser feliz e rir muito :)

Beijo grande
Ana

    Nine Copetti · 10 de janeiro de 2014 às 22:45

    Somos muito parecidas, então! Eu faço um esforço enorme para socializar, tenho evoluído nesse sentido, mas me sinto mais confortável no meu mundo, com meus livros, na minha casa! Tenho pouquíssimos amigos e me dou melhor escrevendo!

    A Bula e o Obvious são dois sites que nos presenteiam com artigos maravilhosos e muitas dicas culturais, né! O Obvious sigo há tempos, já a Bula conheci essa semana! Muitas coisas boas pra compartilhar!

    Boa sorte nas tuas resoluções! Agradecendo sempre e aceitando o que vier como aprendizado.

    Beijo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *