E aproveitando que o amor pelo Spotify não foi embora, pelo contrário, cada vez tenho ouvido mais e mais músicas, inclusive no trabalho, dando uma de DJ de “música ambiente” (#SQN) e descobrindo novos e velhos artistas, resolvi vir aqui compartilhar mais um, se vocês ainda não conhecem (eu, desligada como sou, claro que não fazia ideia da existência da moça): Carol Naine.

Carol Naine é carioca, canta e compõe com uma delicadeza incrível. Eu fico muito feliz quando encontro artistas que promovem a música brasileira com qualidade e cuidado. Ela tem uma voz linda, suave, encantadora, suas composições revelam o cotidiano com simplicidade e trazem um ritmo meio que hipnotizante, os arranjos se encaixam com tanta perfeição que no primeiro refrão a gente já sai cantando junto e balançando as cadeiras! É uma delícia essa musicalidade, esse talento, essa cadência. Seu primeiro disco autoral saiu em 2014, totalmente independente e tem como título o seu nome mesmo. Eu não sei vocês, mas eu, quando descubro um sonzinho assim, deixo tocando até enjoar (e ainda não enjoei, não)! 

Ah, se não bastasse seu primeiro disco ser assim tão gostoso de ouvir, ela ainda tem vários outros projetos: Criação de músicas para marcas, fotografias de Instagram (achei isso muito legal), toca com um trio de jazz em um trabalho para preservar o samba de raiz e ainda um outro projeto que resgata sambas antigos, chamado “Depois do Carnaval”. Isso é valorizar a música popular brasileira, preservar a cultura da boa música. Já simpatizei de cara com essa guria!

carolnaine_capa(tentando descobrir o nome do fotógrafo, se alguém souber, avisa)
Fotógrafo: Paulo Barros Arte: Kiki Saraiva (obrigada pela informação, Luciana Elaiuy)

Se vocês quiserem conhecer mais um pouquinho dela, vou colocar aqui embaixo a playlist de looping eterno no Spotify:

“Sempre ouvi muita música brasileira e acho que o samba é a minha maior influência. Dá pra perceber pela estrutura das canções que faço, as letras e o jeito de cantar. Presto muita atenção em compositores como Cartola, Wilson Batista e Chico Buarque porque me interesso pela forma de contar a história. E no trabalho de cantoras como Teresa Cristina, Adriana Calcanhoto e Nara Leão, que cantam com delicadeza.” Carol Naine


Escutem com toda a calma do mundo e depois me contem se não é uma artista especial que vem surgindo por aí… Mas me contem mesmo, combinado?

Música pra curtir no final de semana, pra relaxar, pra esquecer da semana pesada ou pra comemorar a vibe dos sábados e domingos de boas em casa, lendo, aproveitando a companhia da família, do amore, dos livros, deliciando-se com uma boa xícara de café ou chá (que nesse friozinho é perfeito)…

IMG_0054

Pensando nisso, vou ali preparar um chazinho pra mim e já volto! ♥

nine_signature

  Ei, curte aqui, vai! :(

Nine Copetti

Dizem por aí que já nasci com um livro embaixo do braço. Ando pelas ruas com o olhar pro alto a procurar nuvens que sejam algodão doce e passarinhos que versem sobre o dourado lindo do sol que chega de mansinho. Desanuvio meus pensamentos em palavras que se tornam meus textos de escape, faça sol ou chuva. Nos dias de chuva eu capricho mais. Dizem.

2 comentários

luciana elaiuy · 19 de agosto de 2016 às 13:27

Que matéria bonita! O nome do fotógrafo é Paulo Barros. (estudiopaulobarros.com), com direção de arte de Kiki Saraiva (https://www.instagram.com/rouge.design/)
;)

    Nine Copetti · 19 de agosto de 2016 às 19:53

    Oi, Luciana! Muito obrigada, ando encantada com as musicas da Carol! Já vou colocar os créditos! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *