Imagem: Google Imagens

Gente, fiquei bastante tempo sem escrever por aqui… É que esses últimos dias foram bem corridos, cheios de probleminhas pra resolver, passeios rápidos, visitas maravilhosas e muito, mas muito estudo! Educação à distância também consome nosso tempo e dá um trabalhão para quem costuma se distrair fácil, como eu!

Então, por essa leva de motivos acabei optando por ficar um tempo longe de tudo que me prendesse na internet, só permitindo brechas no Facebook e no Instagram (tem como ficar longe?), esporádicas fugidinhas em blogs queridos pelo Reader, um “só”que já é bem “bastante”!!!

Daí, para quebrar um pouco o gelo desse tempo todo sem escrever e sacudir a poeira de quase um mês, resolvi postar pra vocês um texto muito bacana, daqueles perfeitos para quando estamos precisando de um empurrãozinho, que parece terem sido escritos especialmente pra gente, sabe… Seja pra voltar pros trilhos, pra focar algo novo ou simplesmente entender que a vida é um tesouro que não dá pra desperdiçar assim, por qualquer bobagem..

O Ponto Escuro

Certo dia um professor chegou na sala de aula e disse aos alunos para

se prepararem para uma prova relâmpago. Todos acertaram suas filas,

aguardando assustados o teste que viria. O professor foi entregando,

então, a folha da prova com a parte do texto virada para baixo, como

era de costume. Depois que todos receberam, pediu que desvirassem a

folha. Para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto,

apenas um ponto escuro no meio da folha.

O professor, analisando a

expressão de surpresa que todos faziam, disse o seguinte:

– Agora, vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.

Todos os alunos, confusos, começaram, então, a difícil e inexplicável

tarefa. Terminado o tempo, o mestre recolheu as folhas, colocou-se na

frente da turma e começou a ler as redações em voz alta. Todas, sem

exceção, definiram o ponto escuro, tentando dar explicações por sua

presença no centro da folha. Terminada a leitura, a sala em silêncio,

o professor então começou a explicar:

– Esse teste não será para nota, apenas serve de lição para todos nós.

Ninguém na sala falou sobre a folha em branco. Todos centralizaram

suas atenções no ponto escuro. Assim acontece em nossas vidas. Temos

uma folha em branco inteira para observar e aproveitar, mas sempre nos

centralizamos nos pontos escuros. A vida é um presente da natureza dado

a cada um de nós, com extremo carinho e cuidado. Temos motivos para

comemorar sempre! A natureza que se renova, os amigos que se fazem

presentes, o emprego que nos dá o sustento, os milagres que

diariamente presenciamos. No entanto, insistimos em olhar apenas para

o ponto escuro! O problema de saúde que nos preocupa, a falta de

dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, à decepção com um

amigo. Os pontos negros são mínimos em comparação com tudo aquilo que

temos diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.

 

Quantas vezes percebemos (e muitas outras nem isso) uma nuvenzinha danada sobre nossas cabeças, deixando os momentos nublados e difíceis de encarar? São vários momentos moendo e remoendo fatos que já se passaram ou mesmo que não tem como a gente solucionar… E tantos outros que só parecem problemas e na verdade é a tal da nuvenzinha atrapalhando a nossa visão, não é mesmo?

Então, sempre é tempo que rever nossas folhas em branco, cheinhas de esperanças e vontades, de espaço para alegrias pequenas e grandes, para momentos singelos e especiais. Tempo também de deixar um pouco de lado o ponto escuro que estava no centro da nossa vida, um pouco de leveza – até mesmo em meio aos nossos problemas do dia a dia – não faz mal, não traz culpa… Apenas uma chance de ver com olhos mais alegres e permitir que a luz do sol ilumine um pouco esse pontinho tão mais levado à sério do que deveria!

Por essas e outras tantas coisas que pensamos e deixamos de fazer ou dar o devido valor na vida que deixo esse texto pra gente fazer uma bela reflexão, ou apenas para dar uma conferida básica nas nossas ações e ver se estamos no caminho certo… Vai que falta só mudar o ponto um pouco de lugar, né?

Uma ótima semana!!!

 

 

Signature_Nine

  Ei, curte aqui, vai! :(

Nine Copetti

Dizem por aí que já nasci com um livro embaixo do braço. Ando pelas ruas com o olhar pro alto a procurar nuvens que sejam algodão doce e passarinhos que versem sobre o dourado lindo do sol que chega de mansinho. Desanuvio meus pensamentos em palavras que se tornam meus textos de escape, faça sol ou chuva. Nos dias de chuva eu capricho mais. Dizem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *