“Eu me levantei e notei que não conseguia manter o equilíbrio. Em meu cérebro, entre poças de genebra e uísque, chafurdavam alvoroçadas todas aquelas palavras tão estranhas. Serviço secreto, agentes, dispositivos. Nome falso, passaporte marroquino. Apoiei-me na parede e tentei recuperar a serenidade.”

Trecho de O tempo entre costuras, de María Dueñas

 

Cheguei… Conforme a lista dos últimos livros lidos e o atraso em escrever sobre cada um deles aqui pra vocês, resolvi começar pelo que mais me comoveu: O tempo entre costuras, da María Dueñas.

Pensem em uma história sobre linhas, tecidos, moldes, vestidos… Pensaram? Agora joguem um pouquinho de emoção aí, romance, rompimentos, decepções, planos que não dão certo, aventuras de toda sorte… Confere? Ok. Acrescentem ainda uma guerra civil, países e pessoas em conflito político e emocional, festas glamourosas, vestidos de gala, alta costura, grandes personagens, espionagem e uma iminente guerra mundial… Tá bem assim? Não? Então completem o pacote com sensibilidade e delicadeza, renda e seda, leveza e força, foco e fé num futuro que é mais incerto que o fim de uma guerra. Costurando e contruindo o futuro molde a molde, ponto a ponto, sem nunca deixar o medo assumir as rédeas da vida, dançando conforme a música, confiante de que o futuro se encarregue de ajeitar as coisas, sem esperar o melhor, apenas poder seguir adiante e em paz. Ou não.

Assim é esse romance incrível que descobri através da Kaká, querida amiga que recomendou a leitura tempos atrás. Lembro que logo à dica já comprei o livro, mas ele ficou uns bons meses de molho na estante, por dois motivos: muito pesado pra carregar pro trabalho e muito longo pra ler aos poucos, correndo o risco de abandono fácil.  Só que numa tarde em que acabava um outro título da lista, que agora nem lembro qual (vou dar uma olhadinha no Instagram pra ver se descubro) e sem ideia de qual seria o próximo livro escolhido, simplesmente um imã puxou minha mão pra ele e desde aquela tarde travamos uma batalha de leitura sem intervalos, paixão a primeira vista, devorei o livro nas horas que me restavam no trabalho, antes de iniciar a jornada, no intervalo do almoço e no caminho de volta e ainda em casa, sempre que possível.

O que mais me chamou a atenção nesse romance foi justamente o fato de a escritora misturar momentos históricos importantes, alguns personagens reais, um pouco da sua própria história familiar e muita pesquisa, seja através das viagens ou dos livros de história mesmo. São personagens interessantíssimos, caprichados, cheios de vida em cenários que mexem com a nossa imaginação, desafiam a nossa memória, instigam nossa curiosidade… Um romance rico, entremeado de momentos dramáticos, felizes e tristes, tensos e reveladores.

Sabem aqueles romances que fogem ao comercial, que nos presenteiam com um misto de emoções, que nos fazem saborear cada página? Assim é. Sira Quiroga, a personagem central te faz pensar em novelas mexicanas, um drama que parece não ter fim e o que é incrível, uma mulher forte que é capaz de mover o mundo para seguir seu destino (no fluxo turbulento dos acontecimentos), que faz das lágrimas bálsamo encorajador e vai agregando naquela longa caminhada por mundos tão distintos, amigos pra vida toda.

María Dueñas é espanhola, vive em Cartagena e é professora de Filologia Inglesa em Murcia. Esse é o primeiro romance dela, e o sucesso foi tamanho que teve que pedir licença da docencia para poder se dedicar a divulgação dele e dos demais romances. Além dos livros, suas histórias ganharam versão em series espanholas, quem tiver curiosidade, pode assistir aqui.

Já comprei o segundo livro dela {A melhor história está por vir}, título sugestivo de mais um ótimo romance… E tem um terceiro, mas não sei dizer se já tem nas livrarias daqui, vi só em espanhol.

Sinopse via Skoob: Poucos meses antes da guerra eclodir na Espanha, Sira troca sua pacata rotina em Madri pelo desconhecido Marrocos, seguindo uma avassaladora paixão. Ela e seu amado Ramiro, um aventureiro em busca de dinheiro, vivem momentos de romance, glamour e futilidade. Mas o sonho vivido por ela acaba quando, de uma hora para outra, é abandonada. Sira Quiroga é a encantadora costureira que protagoniza esta aventura. Um dia, Sira se apaixona loucamente e parte de Madri para o romântico Marrocos, meses antes da Guerra Civil Espanhola (1936-1939), para ter sua inocência triturada pelos caminhos da vida. Porém, se transforma uma vez mais para mergulhar, durante a Segunda Guerra Mundial, em um novo mundo, agora repleto de espiões, impostores e fugitivos.

Nem preciso dizer que recomendo, recomendo muito. Inclusive digo que é um desperdício não reservar um tempo pra se dedicar a esse livro… Há tempos não lia algo tão bem escrito, tão bom, bem traduzido, bem sintonizado e envolvente.

Terminei o livro com aquela sensação de perda, de querer mais, de apego aos personagens, de amizade incondicional, de quase preocupação: e agora, o que será de cada um deles? Parece loucura, mas é amor puro e simples por um livro que é uma obra prima de primeira grandeza.

Ah, outra coisa: quem já leu Memórias do Livro, da Geraldine Brooks ou qualquer livro do Zafón e gostou, tem muita chance de se apegar, como eu, aos livros da María Dueñas! O estilo é muito semelhante.

Bom, e pra curar a ressaca do final desse primeiro livro da María Dueñas, fui ler a Mari Kalil – e rir até doer a barriga com as histórias dela (recomendações nos próximos posts)!

Agora me contem, o que vocês andam lendo?

1 pessoinha leu, curtiu e recomenda esse post!

Nine Copetti

Dizem por aí que já nasci com um livro embaixo do braço. Ando pelas ruas com o olhar pro alto a procurar nuvens que sejam algodão doce e passarinhos que versem sobre o dourado lindo do sol que chega de mansinho. Desanuvio meus pensamentos em palavras que se tornam meus textos de escape, faça sol ou chuva. Nos dias de chuva eu capricho mais. Dizem.

4 comentários

Júlia · 26 de janeiro de 2015 às 21:42

Acabei de ler e amei!!

    Nine Copetti · 26 de janeiro de 2015 às 22:27

    Oi, Julia! É ótimo, né!? Eu fiquei com vontade de reler assim que terminei! Um dos melhores livros dos últimos tempos!
    Obrigada por comentar! ;)

Dica de Livro | A melhor história está por vir – Desanuviamentos · 29 de maio de 2018 às 21:43

[…] a paixão instantânea que tive pelo livro O tempo entre costuras (escrevi sobre ele aqui), antes mesmo de terminar a primeira leitura, já comprei o segundo livro de María Dueñas, que se […]

Dica de Livro | A melhor história está por vir · 3 de setembro de 2014 às 22:57

[…] a paixão instantânea que tive pelo livro O tempo entre costuras (escrevi sobre ele aqui), antes mesmo de terminar a primeira leitura, já comprei o segundo livro de María Dueñas, que se […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *