(post escrito originalmente no meu antigo blog, o Devaneios de Chocolate, em 16/12/2011)

Imaginem um cara se formando na faculdade, um bom aluno, digamos. Aplicado e com grandes chances de sucesso no futuro. Imaginem também um professor muito querido, dedicado e especial – como poucos que encontramos nos bancos escolares ou nas escolas da vida – e uma promessa de amizade.

Agora, siga vinte anos para frente no tempo. Uma notícia, um susto, uma promessa quebrada com chances de restauração. Uma grande lição para o verdadeiro sentido da vida. Uma amizade que transcende tudo o que acreditamos ser bom e necessário! Lições a serem absorvidas e traduzidas diretamente no nosso coração!

Esse é o livro que acabei de ler, por indicação da minha querida amiga Rita, que escreve o Botõezinhos. Assim que ela me indicou, corri pro Skoob e coloquei na lista de Desejados, esperando pacientemente que alguém resolvesse disponibilizar para troca… o que só ocorreu umas duas ou três semanas depois! Mas o fato é que chegou e amei a leitura!!!

Detalhe: quase paguei um mico daqueles no ônibus, quando ia pro trabalho lendo o último capítulo. Tive que segurar as lágrimas, conter a emoção e a profunda reflexão que essa parte do livro exige, sem exigir…

Espontaneamente, toda a história lida te faz analisar a tua vida e pensar sobre o que vale mesmo a pena. O resto não importa.

De fato, não importa!

Sinopse:

Cada um de nós teve na juventude uma figura especial que, com paciência, afeto e sabedoria, nos ajudou a descobrir dimensões mais profundas e a escolher nossos caminhos com maior liberdade. Para Mitch Albom, esta pessoa foi Morrie Schwartz, seu professor na universidade. Vinte anos depois, Mitch reencontra Morrie, nos últimos meses da vida de seu velho mestre, acometido de uma doença terminal. Durante quatorze encontros, eles tratam de temas fundamentais para a felicidade e realização humana. É uma lição de esperança sobre o sentido da existência, em que a experiência e reflexão são transmitidas de forma simples e comovente, que transformou a vida do autor e, que ele quis registrar como uma dádiva de Morrie para o mundo.

É incrível a forma como esse livro foi escrito, e o rumo que a história foi tomando. Eu acredito que nunca mais vou esquecer das linhas que li. E que estas lições eu levarei pra sempre comigo!

Alguns trechos:

“[…] pessoas tão famintas de amor que aceitam substitutos. Abraçam coisas materiais e ficam esperando que essas coisas retribuam o abraço.”

“Precisamos de alimento e queremos um sorvete de chocolate.”

“[…] é que todo mundo tem muita pressa. As pessoas não encontraram sentido na vida, por isso correm o tempo todo procurando-a.”

Mais do que isso é desnecessário. O que recomendo é que leiam ao menos em algum momento da vida de vocês esse livro. Coloquem nas listas de leitura, nas metas! E absorvam todas as lições que ele traz!

♥♥♥

Alguém mais já leu esse livro, teve essa mesma sensação de plenitude, de conforto e ao mesmo tempo de preocupação por estar fazendo tudo errado?

Beijo grande, um ótimo findi pra vocês!!!!

  Ei, curte aqui, vai! :(

Nine Copetti

Dizem por aí que já nasci com um livro embaixo do braço. Ando pelas ruas com o olhar pro alto a procurar nuvens que sejam algodão doce e passarinhos que versem sobre o dourado lindo do sol que chega de mansinho. Desanuvio meus pensamentos em palavras que se tornam meus textos de escape, faça sol ou chuva. Nos dias de chuva eu capricho mais. Dizem.

4 comentários

Karla Keunecke · 24 de janeiro de 2013 às 11:06

Nine!! Fiquei louca pra ler este livro!! E que coisa mais linda a tua prateleira!!! hahah, amei o quadrinhooo!! De onde é??? Eu quero um iguallll!!

beijão, amiga!!

    Nine Copetti · 24 de janeiro de 2013 às 20:04

    Amiga, tu viu, fofo, né!?
    A imagem eu baixei não lembro de onde e comprei a moldura na Leroy! Imprimi em casa mesmo! Hehe!
    Vou tentar lembrar e te conto depois de onde é a imagem!

    Beijinhos

Dica de Livro | A Improvável Jornada de Harold Fry – Desanuviamentos · 29 de maio de 2018 às 21:55

[…] isso… acho que é o tipo de livro, assim como o A Última Grande Lição (um tesouro de indicação da minha amiga querida, Rita) que acaba guardado no coração, servindo […]

Dica de Livro | A Improvável Jornada de Harold Fry · 16 de dezembro de 2013 às 20:20

[…] isso… acho que é o tipo de livro, assim como o A Última Grande Lição (um tesouro de indicação da minha amiga querida, Rita) que acaba guardado no coração, servindo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *