Não gente, não é receita de comidinhas, até porque já passou, né!!!

No primeiro dia do ano ou a gente se dá conta que essa nostalgia toda só rola na virada mesmo ou então nos jogamos com força e acreditamos que realmente é possível mudar ou tentar fazer tudo aquilo que estava nas últimas listinhas e até hoje não colocamos em prática!!! E na dúvida, claro que vamos tentar!

A receita que eu trago é pra gente, pra vida da gente!!! De madrugada me lembrei dessa poesia do Drummond e guardei a ideia na caixola pra postar hoje pra vocês, acho linda…

Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

{Drummond}

♥♥♥

Então, com os trabalhos de 2013 oficialmente abertos, desejo que a gente simplesmente receba e aceite tudo de bom que chegar, que todos os pensamentos e desejos de ontem na virada, na hora do brinde, na hora de pular as sete ondas ou seja lá o que nós escolhemos pra trazer sorte possa nos trazer na verdade a consciência de que precisamos fazer por merecer… !!!

Beijinhos,

  Ei, curte aqui, vai! :(

Nine Copetti

Dizem por aí que já nasci com um livro embaixo do braço. Ando pelas ruas com o olhar pro alto a procurar nuvens que sejam algodão doce e passarinhos que versem sobre o dourado lindo do sol que chega de mansinho. Desanuvio meus pensamentos em palavras que se tornam meus textos de escape, faça sol ou chuva. Nos dias de chuva eu capricho mais. Dizem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *