DEVANEIOS

Aleatoriedades | Tirando o pó do blog de novo

separator
Posted on / by Nine Copetti

Então…

Todo mundo bem por aí?

Alguém ainda passa por aqui? (ouço passos e barulho de café caindo na xícara, só um pouquinho, vou dar um tapinha na poeira)

Gente, quase meio ano sem postar nem um mísero texto aqui. Acho que isso é um recorde, me sinto envergonhada até. Porque as ideias não faltam, os temas pipocam na cabeça, que ferve e quase não me deixa dormir! Porque livros e as minhas revistas queridas (Vida Simples e Espresso) eu continuo lendo – se bem que nem tanto quanto eu gosto de ler – e o mesmo segue valendo pra filmes, séries, músicas. Lugares novos, sim, vários, sigo minha missão de conhecer lugares queridos na cidade, nos arredores, nas viagens. Mas então?

Então…

Confesso que o trabalho, o transito que não cessa (essa quantidade louca de carros com seus loucos motoristas mais preocupados em conferir o telefone que os sinais do próprio transito, a loucura da vida e todas essas coisinhas para as quais a gente costuma dar mais importância do que merecem, andaram tirando meu foco. Além, claro, do assunto batido que é perder o prumo pelos excessos das redes sociais, né. Vai ali conferir tuas mensagens do Whatsapp pra ver: logo já aproveita pra dar uma conferidinha no Facebook – com aquela timeline infinita e desconexa, já emenda uma espiadinha no Instagram, se cair nos Stories aí tu tá perdida mesmo! Até esquece de responder aquele zap que te levou a destravar a maldita tela do celular. Não é nada mole essa vida digital. E ela me pegou e me tirou um tanto da vontade de escrever aqui. Fora a impressão de que assim como eu, muita gente também passa mais tempo nas redes mais fluidas e visuais e se nem mesmo as legendas mais longas as pessoas lêem, imaginem meus textos imensos, né. Isso é o que fico  aqui debatendo com meus botões. Vocês podem me falar melhor sobre isso. Me contem como anda a relação de vocês com o mundo virtual, aqui nos comentários mesmo… <3

Voltando ao blog. Aí que bate aquela saudade de escrever, de contar mais coisas, de compartilhar minhas leituras de uma forma mais completinha, de contar com mais detalhes sobre os lugares que andei visitando, dos cafés, das delicinhas “tem que ter” pra acompanhar! Como sempre fiz por aqui, embora nunca consiga me comprometer com a regularidade, porque a vida de quem trabalha em hospital e já beira a faixa dos 4.0  é chegar em casa querendo só sossego. Hahahah.

Pra pegar o ritmo, vou contar algumas aleatoriedades amô <3

  • Depois que a Ma (@marcelavgl) me apresentou ao “mundo Gaiman” eu fiz uma maratona de três livros dele: Alerta de Risco, O Oceano no Fim do Caminho e Lugar Nenhum. Gaiman me cativou nos três, eu não conseguia me desligar das histórias, ia pro trabalho pensando em quando conseguiria ler mais um pouquinho! Foi uma viagem incrível pelo mundo desse escritor, tanto que  gerou uma ressaca literária gigante que me atinge até hoje e tudo que ando lendo parece carecer daquela energia que ele coloca nas suas histórias. Não é uma promessa… Mas vou tentar fazer leves resenhas dessas três leituras nos próximos posts. Me aguardem. Não percam a fé em mim!
  • Aí que nessa onda de ressaca literária eu simplesmente saí lendo várias primeiras páginas de vários livros (Crime e Castigo, E Cuidado com o Sal, Contos Holandeses, O Senhor Gelado…), alguns livros de poesia (Outros Jeitos de Usar a Boca e O que eu faço com a saudade). Eu sei, promiscuidade literária, a gente vê por aqui!
  • Mas então comecei a ler, por indicação – e persistência na indicação – da Mari (@mary_poulain) um dos livros de Haruki Murakami, escritor japonês. Lembram da trilogia 1Q84? Então, eu sempre cruzava com eles nas livrarias da vida e nunca me atraiam, nunca mesmo. Eu ficava com meus botões pensando: mas que droga de capa com cores tão fortes, com um título que não  me diz nada… E seguia meu caminho. Até que a Mari me falou dele, falou de novo e de novo. E eu resolvi aleatoriamente – como bem gosto – escolher e começar minha leitura por ‘Kafka à Beira-Mar’. E simplesmente viciei. Assim como Gaiman ou Zafón (e a lista de escritores queridinhos segue aumentando), o cara tem poder. Notinha mental: confiar mais nas opiniões literárias das minhas amigas. Elas costumam mandar muito bem. Muito bem mesmo! <3
  • Ah, só pra não deixar passar – aos desavisados, como eu, que não se prestaram a pesquisar antes a tal trilogia: A história se passa em 1984 e o “Q” em japonês se pronuncia de forma análoga à pronúncia do número “9”. Dizem ser também uma analogia ao livro de Orwell. Mesmo assim, pelas resenhas que andei lendo, a trilogia segue não despertando lá tanta curiosidade. Mas talvez por ter citado Orwell eu reconsidere em algum momento da vida. Na fila estão: Minha Querida  Sputnik, O Incolor Tsukuru Tazaki e Seus Anos de Peregrinação, Após o Anoitecer e Norwegian Wood.
  • Nessa busca louca pela cura da ressaca, comecei também (e finalmente, porque há tempos ele me aguardava na estante) as crônicas da Eliana Rigol, alegretense que hoje vive no Canadá. Moscas no Labirinto. São aquelas crônicas gostosas de ler, que a gente termina um e leva um tempo para ler o próximo, porque o bichinho da reflexão fica cutucando os pensamentos, sabe. São coisas simples que estão tão intrinsecamente ligados à maioria de nós,  que não tem como ficar imune. São relatos ou devaneios daqueles momentos únicos pelos quais passamos em algum momento e sobre os quais gostamos de trocar uma ideia com nossos botões. É muito sobre o hoje e ao mesmo tempo a Eliana nos pega pela mão para um viagem deliciosa pelas memórias da nossa infância. Pra deixar na cabeceira, mas também levar na bolsa. <3
  • E quase ia esquecendo: Paris me aguarda em Maio de 2018 (uma meta antiga, daquelas que vai passando de agenda para agenda, sabe, porque o dindin nunca sobra). Comecei aulas de francês – como autodidata – com aplicativos e leitura de livros e blogs/instagrams em francês. Oui, je vais a Paris! Mandem dicas!  <3
  • Ei, vocês já sabem que sou dinda/tia pela segunda vez? Ser dinda é tudo de bom, eu babo muito nos meus afilhados. O Léo já tá naquela fase meio aborrecente – faz parte, né – já não curte muito amasso e beijo e a Mariana chegou ao mundo tem alguns dias, posso voltar a ser Felícia sem restrições! É amor que não cabe no peito! Quem mais aqui ama a função DINDA/DINDO? <3
  • Ah, e por ultimo, uma aleatoriedade já conhecida, mas que volta e meia eu teimo que não existe: a intolerância a lactose. Tive uma crise bem séria e tomei jeito, aparentemente. Estou lendo tudo que encontro sobre alimentação sem lactose, produtos o mais naturais possíveis sem lactose – inclusive hoje vou experimentar pela primeira vez coisas feitas com “leite” de castanhas, da Você Pote, marca que foi lançada no sábado aqui em POA, na Ginko, um café+floricultura que abriu em plena Avenida Osvaldo Aranha – ambos são assuntos para próximos posts. Deus ajude!!! Hahaha. Mas, também estou aceitando dicas e sugestões de quem também passa o mesmo perrengue e tenta comer bem, sem se render aos industrializados.

Acho que é isso, gente… Era só uma faxina rápida, virou quase aquelas limpezas de final de ano, né! Espero que vocês ainda estejam por aqui! A caixinha de comentários está aí pra ser usada, não me deixem só (como diz a Mari Kalil <3).

Um beijo enorme e uma ótima semana de verão escaldante com mix de vento ventania e chuva nesse fim de inverno bipolar.

PS: Vai ali na caixinha, me conta algumas aleatoriedades também, vai. Te espero

5 pessoinhas leram, curtiram e recomendam este post!

6 Comments

  • Ana PAula
    3 de outubro de 2017

    Oi Nine!
    Estava há um tempão sem entrar no blog. Aí resolvi ler os posts hoje… amei a novidade da afilhadinha. Eu aqui tão longe morro de saudades do meu sobrinho q costumava dormir na minha casa toda semana. Muito amor! Gostei das sugestões de leitura. Vou tentar algum desses p ler um pouco. Sobre a intolerância acho bacana vc falar disso pq eh algo q muita gente tem. Pena q estas alergias hj se tornaram tão banalizadas com tanta gente “inventando” q tem qd na verdade não tem. Eu conheço uma alérgica a glúten, ela é celíaca. O caso é tão sério que ela foi hospitalizada, com suspeita de câncer de intestino. Então ouvir de você, uma pessoa séria e da área de saúde, pode ser útil a quem realmente está doente. Para finalizar esse comentário gigante rsrs simplesmente emocianada com sua viagem a Paris. Meu coração enche de felicidade por você. Depois divida conosco seu roteiro. Um bj enorme, Ana

    Reply
    • Nine Copetti
      7 de outubro de 2017

      Oi, Ana! Que bom te ver por aqui! Eu mesma ando super afastada, tento manter o foco, mas a rotina logo me tira dele novamente. A Mariana é um doce de bebê, estou amando ser dinda pela segunda vez, agora com toda a delícia de ser dinda de menina!
      A moça da cafeteria MOOD (uma cafeteria totalmente lac e gluten free) é celíaca e tem intolerância severa, tenho conversando muito com ela para adaptar e me cuidar ao máximo, é super sério isso e eu também fico sem entender porque acaba virando “modinha”. Temos que ter bom senso e buscar o melhor caminho, sempre de forma segura e com ajuda médica, isso é fundamental.
      E sobre Paris, nem me fale, pois nem eu mesma acredito. Acho que só quando estiver em território francês vou acreditar! Há tantos anos planejamos essa viagem! Vai ser lindo! E aí promete dividir tudo aqui no blog, sim! Deus ajude! <3

      Um beijão pra ti também e obrigada por vir aqui deixar teu carinho!

      Reply
  • Rosa Helena
    9 de setembro de 2017

    Vim visitar teu cantinho e encontrei post novo. Que legal!!! Adoro a leveza com que escreve, também curto muito teu instagram e é verdade que uma legenda me encanta mais que uma foto. Também adoro livros, é uma coisa que me desestressa nesse mundo louco. A Revista Vida Simples ainda não comprei mas já li a versão online. Adorei!
    Também amo café e sou louca pelas fotos suas em Gramado, lugar que tenho planos de conhecer. Você tem um olhar muito bom para fotografia.
    Volta mais vezes aqui no blog.
    bjo

    Reply
    • Nine Copetti
      11 de setembro de 2017

      Rosa, tu não imagina a felicidade que me dá ler o teu comentário! É muito bacana quando a gente vai encontrando pessoas com tantas coisas em comum pra trocar idéias e dicas! Obrigada por tanto carinho! E que logo tu possa conhecer Gramado, que é linda demais! E volte mais vezes aqui sim, prometo postar mais vezes!
      Um beijão! <3

      Reply
  • Ana paula
    6 de setembro de 2017

    Vim tomar uma xícara de café contigo! Estava cheia de saudade desse cantinho, dos teus escritos.
    Sabe que eu fiquei também um tempo sem escrever no meu blog? E no meu caso não foram as redes sociais. Pelo contrário, eu tive uma saturação de Instagram, face, WhatsApp só família e deixei de ver, interagir por todas essas redes e mesmo assim a escrita, a vontade de blogar não veio. Detox digital?! Não sei…

    Nine, fale um pouco da revista Espresso. A Vida Simples sou apaixonada!
    Ah e eu também tenho Paris no horizonte de julho/2018 e estou na base do duolingo, tem mais dicas?!

    Tenho uma amiga virtual que me mostra uma POA tão feia, tão violenta e aqui eu a vejo com tanta doçura, mesmo em meio ao caos do trânsito, violência, os lugares encantadores que você conhece e traduz em palavras, enchem o olhar.
    Um beijo! Alegrou minha manhã esse nosso café aqui! Já esperando por outros.

    Reply
    • Nine Copetti
      8 de setembro de 2017

      Ana, que bom te ver por aqui! <3
      Sim, às vezes a gente se sente meio saturado com tanta rede, tanta informação, acho que por isso precisamos desse tempinho longe! Ainda bem que a gente volta! Ehehe!
      Então, assim que chegar a nova edição da Espresso vou tentar fazer um post! Mas ela é uma revista voltada para o mundo do café, tanto para profissionais quando amadores, apaixonados pela bebida. Traz novos lugares, novos métodos, novos grãos, nos apresenta produtores... Enfim, é muito bacana pra quem busca informação nessa área;
      Paris? Oui! Vamos trocar figurinhas mais perto então! 😊
      E sobre POA, sim, ela andou bem feia, estava difícil sair à rua. Mas está passando. E acho muito importante a gente conseguir enxergar o melhor mesmo quando as coisas não vão muito bem! As pessoas continuam circulando, trabalhando, vivendo, né... Precisamos desses escapes! Fico muito feliz que te faça bem esse meu olhar sobre a cidade. Me faz bem também!
      Venha sempre, o café e a prosa estão garantidos! Um beijão

      Reply

Leave a Reply